You are viewing dared00d

New Year's Eve

looking away

Pra variar, o meu LJ já estava jogado às traças novamente. É que eu andava sem coisas interessantes a dizer, tipo, menos que o normal. Hahaha. Mas, bem, o final do ano se aproxima(ok, é tipo hoje, né?) e, mesmo que eu me esforce, não consigo evitar uma avaliação de como foram os 12 meses que antecederam a esse instante.

            Foi um ano tenso, por assim dizer. Várias coisas aconteceram, algumas legais(principalmente aquelas que dão alguma esperança de que as coisas vão melhorar), várias chatas e outras MUITO chatas. Alegrias, tristezas e alegrias que levaram a grandes tristezas. Fiquei solteiro, roubaram minha casa, cálculo renal, concluí meu TCC(hehe, A Violação Positiva do Contrato e o Inadimplemento Antecipado Como Novas Perspectivas no Direito Brasileiro FTW!), concluí o curso de Direito, fiquei em dúvida se esse realmente é o meu lance, fui otimista, fui pessimista, fiquei (um pouco)mais saudável, emagreci, fui a praia(meol dels, stol moreno até!), estudei como um louco, li pra caramba(ao menos em comparação aos anos anteriores), fui a jogos do Grêmio e por aí vai.

            No final, colocando tudo na balança, diria que ocorreram mais coisas ruins do que boas, ou que as ruins que ocorreram foram mais “pesadas” que as boas. Como bom otimista, isso só significa uma coisa: ainda bem que esse ano está terminando, porque pior do que esse não tem como! Hahahaha.

            O que me resta é manter os acertos e cuidar para não repetir os mesmos erros.

            Obrigado a todos que me aturaram, me divertiram e fizeram parte do lado legal de 2008. Amo-vos all.

god only knows what I'd be without you.

Dreamy Guy

Estou surpreso comigo, apesar de achar o vice-campeonato inevitável, eu imaginava que ficaria mal-humorado depois do jogo, ou com algum sentimento de frustração, esse tipo de coisa. Na verdade, isso seria bem compreensível, mas não ocorreu. Apareceu uma outra imagem no canto da tela, o jogo do outro postulante ao título acabou e eles se sagraram campeões, quase que imediatamente(um pouco antes, até), a nossa torcida(símbolo de tudo o que somos, afinal) começou a cantar como se fossemos os campeões, ou que aquele fosse o último momento da vida dos que estavam lá. A mesma torcida que, quando o outro time fez gol e praticamente sepultou nossas esperanças, continuou cantando com a mesma força para cumprir o pedido dos jogadores: Eles não queriam saber do outro jogo, queriam fazer a parte deles, sem interferência externa. Foi o que aconteceu, cada torcedor que se recusou a se deixar levar pelo desânimo pensou naqueles que estavam tentando e deveriam manter a esperança tanto quanto a massa una que estremecia as arquibancadas do nosso já cinqüentão estádio. É nessa hora que se separam os torcedores dos meros simpatizantes.

 

Apesar das nossas falhas ao longo do ano, fomos uma surpresa pra vários “estrangeiros” e para nós mesmos. Qual gremista que não aceitaria uma proposta do tipo “olha, se quiser, pode terminar o campeonato em quarto lugar. Garantido. Quer?” antes do campeonato, alguns mais pessimistas já aceitariam uma proposta pra ficar na série A. Mas contrariando a lógica, nosso humilde Grupo(com letra maiúscula, pois, nesse ano, vi uma nova definição para união e comprometimento), fechou os ouvidos aos prognósticos, fugiu das crises, não deram bola para o fato de termos uma das menores folhas salariais do campeonato(menos de um milhão, enquanto outros times, que nem ficaram entre os 4 melhores, gastavam mais de 4 milhões por mês). Pelo contrário, se espelharam naqueles que estavam lá em todos os jogos, na boa e na ruim, cantando e pulando, cantando o hino do clube como se cantassem à sua amada e o hino do estado como se fosse a sua nação(fosse?).

 

Voltando ao jogo de hoje, independente do resultado, eu já senti uma ponta de satisfação: no momento da entrada em campo, todos entraram e saudaram o Estádio Olímpico, tiraram a foto de praxe e seguiram as entrevistas normais. O que me surpreendeu foi a entrevista com o zagueiro Jean, trazido da Rússia, não é o tipo de zagueiro que nós chamaríamos de brilhante(como o “soberano” Réver). O zagueiro estava chorando, isso, chorando. O jogo sequer havia iniciado e ele já estava emocionado, dizendo que nunca havia visto algo igual na vida, mal conseguindo formular uma frase mais complexa do que isso. Victor também, o Homem de Gelo, o campeonato já estava perdido, mas ele vibrou como se tivesse feito um gol ao protagonizar (mais uma)defesa difícil. Acho que, mesmo se eu colocasse a TV no mudo, ainda escutaria a nossa torcida gritando o nome do goleiro – o primeiro, desde Danrlei, a trazer a plena e completa segurança a qualquer torcedor do Imortal time do bairro Azenha.

 

Mas outro jogador encarnou como nenhum outro o espírito, o geist, o sentimento de ser o que somos: O nosso capitão, Tcheco. O jogo acabou, fomos vice, mas ele fez uma solitária volta olímpica. Também chorando, enrolado em uma bandeira do Grêmio, ele agradeceu aos torcedores de forma praticamente individualizada, como se estivesse ao mesmo tempo dentro do campo e nas arquibancadas.

 

“Não há dinheiro que pague isso aqui, não tem mala branca, nem nada. Uma torcida que continua gritando para os jogadores mesmo depois de saber que o outro time é que foi campeão é de emocionar” – Tcheco, o Maestro da banda.

 

Fica, claro, aquele gosto de “nós poderíamos ter sido campeões”, a avenida Goethe poderia estar em festa, a orla do Guaíba poderia estar entupida de gente, os barzinhos da Cidade Baixa poderiam estar quase sem cerveja, já. Não deu, mas faz parte de um processo, o Grêmio, desde 2005 está se reconstruindo, se preparando para o futuro. Não fazemos investimentos irresponsáveis, não somos imediatistas, sabemos que o sucesso futuro e perene só advém do trabalho e da paciência(tanto que, o time que, hoje, se sagrou campeão passou pelo mesmo processo que nós passamos, de modo que, passaram 10 anos sem títulos, mas plantando um futuro sólido). Pode não ter dado agora, mas vamos disputar a competição que mais nos agrada: A Libertadores da América.  Eu já havia até comentado com meu pai, prefiro ser campeão continental a ser nacional, é outro sentimento, duvido que alguém prefira o contrário. Foi esse o recado dado pela torcida tricolor, quando, para a temporada de 2008, já estava tudo perdido, a música que nos embalou na era Felipão(“Grêmio, Grêmio, nós somos campeões da América!”) foi modificada, avisando: Grêmio, Grêmio, seremos campeões da América.

 

Eram 39 minutos de jogo e a torcida aplaudia o time de pé, o ano estava acabado, não vencemos o campeonato, mas fomos além de qualquer expectativa e todo gremista sentiu orgulho, gratidão e identificação com os seus. Esse momento fez com que brotasse um sorriso em mim, do tipo “todo o esforço é recompensado”.

Anything 'cept The Truth

Italian Spiderman
Semana boa... corrida, mas boa.

Aula de segunda a domingo, de segunda a sexta passando o dia na bilioteca do clube estudando e no fim de semana, estudando o dia inteiro. Mas não tenho do que reclamar, bem pelo contrário, as coisas estão melhorando. =D

Tanto que hoje me concedi uma folga, finda a aula de Direito Civil, me dirigi ao Estádio Olímpico Monumental! Ver Grêmio x Coxa e pegar alguns autógrafos(Ancheta, Arce, Rivarola, Astengo, Camacho Rodriguez, Trasante, Cardaccio, Oberti, Gavilán e o ex-técnico Juan Mugica).

Muito legal, ainda pedi pro Arce voltar a jogar pq na nossa lateral ele consegue a titularidade tranquilo xD

O jogo em si também foi tri, Grêmio jogou direitinho e a torcida deu um show, nunca pulei/cantei/alentei tanto. Empolgante. No intervalo, os estrangeiros deram uma volta olímpica, enquanto todo o Olímpico cantava o clássico "Grêeemio! Grêeemio! Nós somos campeões da América!".

Acho que são os bons ventos que sinto que começam a soprar, tomara que continuem no mesmo rítmo. Do tipo "gratas surpresas que eu nem imaginava".

Depois do jump, fotos do estádio e uma foto q tirei no clube, quando estava estudando na rua.FotosCollapse )


 </div>Bjsmeliga e fikdik.

Last Dinosaur

Dreamy Guy
O último dos últimos. É assim que eu venho me sentindo.

A sensação de que ninguém se importa ou sentiria minha falta anda maior.
Seria bom que algo acontecesse pra me provar o contrário.

Enquanto isso... vou me convencendo disso mesmo.

Ao menos, pro post não ficar imprestável... uma música bacana:

The Redwalls - Thank You


Desculpem-me. Prometo melhorar, heh.

Never Feel Good

high fidelity
Só pra falar "tô vivo".
Tô vivo.

Ok, aumentei o rítmo de estudos nessa semana. Um pequeno imprevisto me deu o empurrão necessário... eu fiquei bem chateado, mas vou ter que converter isso em esforço(as toneladas de exercícios de constituicional que o digam).

Estranhamente... eu engordei. Nos últimos tempos notei um pequeno ganho de peso, porém... a minha carga de exercicios aeróbicos e abdominais está maior. Será que eu parei de emagrecer e comecei a ganhar massa? Tomara.

Vai ter REM e eu não irei. Vai ter Judas Priest e eu não irei. Que merda, tchê.

Bem, os momentos de folga estão cada vez menores... Tudo questão de optimizar o tempo disponível. Torçam por mim.

Pra ficar legal, dois mash-ups do Party Ben: Never Feel Good(Cake + Gorillaz) e Somebody Rock Me(The Killers + The Clash).




Changes

look
Hoje pensei a respeito de como a minha rotina mudou... de segunda a sexta é assim:

Aula - Casa/almoço - academia - casa/estudo/passar a matéria a limpo - dormir.
Repita o processo e enxagüe.

Por incrível que pareça, o meu único momento de lazer é ir pra um lugar onde eu fico cansado, puxo coisas pesadas e ainda me machuco - como da vez que eu deixei a anilha de 4kg cair em cima do meu pé.
Hehehe, foda-se. Não to nem aí.

Até pra internet eu tenho tido pouco tempo. Normalmente, quando eu entro... eu estou procurando por algo. Nesses últimos dias tem sido mash-ups. Achei coisas bem legais.

E eu me sinto sozinho de alguma forma.
Ou de todas as formas.

Mas eu não posso reclamar de nada.

Tags:

I Was Never Young

facepalm
Andava meio sumido, vim dar uma passadinha pra tirar as teias de aranha.

As coisas andam um saco ultimamente. Nada em especial, na verdade, a palavra "nada" é vital: NADA acontece.

A aula tá na mesma... segunda a sexta de manhã... estudo de tarde e passo a matéria a limpo de noite. Cansa, mas vai...
Foda vai ser agora nos fins de semana, aulas sábados e domingos, de manhã e de tarde. É pra matar... mas, como eu quero passar nesse concurso, nem cogito me dar uma folga.
No pain, no gain.

Mas bem que a pain podia ser menor. Uns tempos atras eu comentei no fotolog que precisava de um novo ar pra respirar... isso é relacionado à morosidade da minha vida pessoal. Parece que tudo dá errado. Tentando, ou esperando... o resultado é o mesmo. Um pouco de sucesso nessa área talvez me deixasse um pouco mais leve pro resto... mesmo se não deixasse, seria bom.

Nem falo do jogo de hoje a noite. O fim da várzea.

No me arrepiento de este amor

high fidelity
Buenas e me espalho! Nos pequenos dou de prancha e nos grandes dou de talho!

Saraiva do Praia de Belas foi copada hoje, teve sessão de autógrafos do novo livro do escritor gaúcho Eduardo Bueno(vulgo "Peninha"), em conjunto com seu irmão, Fernando; a obra se chama "A América aos Nossos Pés - 25 Anos de uma Libertadores de Verdade" que, claro, trata do segundo assunto que melhor trata o autor: o GRÊMIO.

Pois bem, cheguei pouco antes da sesseão iniciar(o horário marcado era às 19 horas) e o eterno capitão Hugo de León já estava junto com o Fernando Bueno atendendo o pessoal na frente da loja mesmo, tirando foto, autografando, pessoal boníssimo... só o Peninha que estava atrasado mesmo, mas não muito... Logo o escritor chegou e o meu camarada Vinícius, do Final Boss, também chegou, mais ansioso do que eu, trêmulo diante da oportunidade de conhecer pessoalmente um dos heróis mais imortais da história imortal deste clube imortal.

Feitos os devidos cumprimentos, compramos cada um a sua edição do livro(R$ 18,90, preço justo, pois o livro é pequenino) e rumamos à fila dos autógrafos, já tirando fotos e discutindo eleições presidenciais(do Grêmio, claro), roubalheira(contra o Grêmio, claro) e causos relacionados ao time.

Então, chegada a hora, entrego meu livro ao Fernando Bueno, altamente simpático, comentamos a roubalheira imposta pelo STJD e coisas do tipo, logo em seguida, meu livro vai para as mãos de Hugo de León, também simpático, apesar de sério(mas é claro! ele foi um zagueiro barbudo que levantou a Libertadores da América com o rosto lavado de sangue, ele não pode sorrir), que também autografou a minha camisa de 1981(que já tinha os autógrafos de Tarciso - o Flecha Negra, Paulo Cezar Magalhães e Paulo Roberto), como planejado, agradeci ao capitão por tudo que ele fez na história do clube, quando fui interrompido pelo Fernando Bueno, que brada, praticamente de forma viking: "pra ele tem que agradecer de joelhos!", antes que eu tivesse visto, o cara ja tava de joelhos agradecendo pro nosso capitão, fui no embalo e também comecei a venerá-lo, ao mesmo tempo que o Peninha largou o livro que ele estava autografando e nos acompanhou. Momento puramente sagaz.

Depois dessa, chegou a vez do Peninha autografar o livro, o cara é muito maluco, tão quanto aparenta na TV... legal é que ele concordou efusivamente com a minha comparação "Grêmio  - Gauleses", mais apropriada do que "Grêmio - Espartanos". Visto que vivemos em uma pequena aldeia gaulesa, com romanos odiosos a nossa volta!

A loja tava lotada de gremistas, que aproveitaram a presença do Hugo para marcarem as suas camisas. Feito isso, rumamos ao Burger King... eu nunca tinha comido lá, é bem bom. Hehehe...

Mui bueno o livro, inclusive... vim o lendo no caminho para casa. Bento Gonçalves é gremista. Period.

As duas fotos minhas lá:


Copando a fila, esperando a minha vez de ser atendido.


Fernando Bueno, eu, Hugo de León(rindo? heresia!) e Eduardo Bueno... vestindo uma camiseta GENIAL. É a capa do Abbey Road desenhada, com a frase "Até a pé nós iremos" escrita embaixo. DO WANT.

Bem, era isso... foi foda.

Are we not men?!

don&#39;t look
Bah! Sexta feira de uma semana vazia.
A única coisa relevante que aconteceu a semana inteira foi que eu cortei o meu cabelo... de resto tá sempre "aula-estudo em casa-passadinha na academia-mais estudo em casa", nem pras séries eu tenho mais tempo.
Ainda sim, como eu já devo ter dito antes, não tenho motivos pra reclamar.

Só ontem, passei por algo que não me dava a tempos(desde o TCC, na verdade). Um pequeno colapso nervoso. Sim! Por isso que eu saí falando no msn "vou dormir, tchau" ontem a noite. Eu comecei a ficar agoniado e essa agonia me irritava e por aí vai, a concentração diminuindo e isso levando a mais agonia, seguindo o ciclo.

Acordei melhor, a aula rendeu hoje.
Brabo é que eu vou começar a ter aulas todos os sábados(e não somente de manhã ou de tarde... O DIA INTEIRO) e em alguns domingos.
Bem, esse tempo "recluso" me ajuda a pensar... e é tudo por um bem maior. Se eu quero alguma chance de me dar bem em algo no futuro, tenho que aproveitar essas chances que me são dadas, né?

Falando em "ajudar a pensar", a minha ausência da convivência do pessoal de sempre me deixou pensativo sobre "boh, será que notaram que eu ando meio sumidaço?", essas coisas assim. Não que isso seja um surto de carência, mas eu me questiono qual a minha importância pras pessoas ao meu redor... na maioria das vezes eu tento "pescar" através de sinais, mas ando muito cansado pra isso, hehe.

Mudando pra um assunto mais "fútilzinho", quero óculos escuros novos... estilo os Wayfarer da Ray-Ban. Hahaha, aceito de presente.
/me runs

Tags:

Whip it!

Nice Shades
Dias corridos.

Aula de manhã, estudando a tarde inteira. Quando sobra um tempinho, passo na academia depois do almoço(me ajudou a manter a sanidade durante o TCC)... e estudo a noite de novo.
Nem as séries eu tenho acompanhado mais... mas eu não reclamo, valerá a pena :D

No mais, aniversário da Carol na sexta passada, pessoal divertido e um SNES ligado no telão. Descobri que ainda jogo muito bem o das Tartarugas Ninja, mas sou péssimo no Superstar Soccer(o Campeonato Brasileiro)... hahahaha. Ah, a festa não foi tão nerd assim... teve dança também, mas o SNES fez um sucesso inesperado. Hahaha
Ainda deu tempo de comer um xis depois da função.

Bah, viciei em DEVO... muito bom. MUITO BOM.

Depois do jump, os clipes das músicas que estão no título e a que eu tô escutando ;D

Clipes do DEVO... aqui!Collapse )